Prepare um chá bem quentinho e venha conhecer o termo dinamarquês que trará aconchego à sua rotina

   Sentar-se em um pufe confortável, usando meias muito quentinhas e bebendo um cappuccino. Assistir a um filme perto de uma lareira comendo um bolo que acabou de sair do forno. Sentar-se próximo à janela em um fim de tarde com uma caneca de chá fumegante para ver a chuva que cai lá fora. Se só a visualização dessas ideias já te causou um grande aconchego, você já está mais perto de entender o Hygge – termo dinamarquês que define não apenas uma tendência, mas um estilo de vida.

Assim como “saudade”, o “Hygge” não tem uma tradução exata. “A palavra que, ao meu ver, chega mais perto, é aconchego, a ideia de algo acolhedor”, explica Helena Capaz, arquiteta e gerente comercial da Interprint Brasil, que ensina que o Hygge é democrático – não existem cores certas quando se fala sobre esse estilo de vida que está tomando conta das tendências de decoração. O propósito é incluir materiais que remetam ao bem-estar e conforto.

É claro que o brasileiro tem um estilo de vida muito diferente dos dinamarqueses, mas o Hygge não tem regras. Itens muito brasileiros, como rede, colcha de retalho, almofada de fuxicos, toalha de mesa de renda e água de coco são ótimos para compor uma versão brasileira do lifestyle que faz dos dinamarqueses os líderes mundiais no ranking da ONU de felicidade. “Depende do que cada um associa a aconchego. Pode ser um tapete quentinho ou uma rede na varanda”, exemplifica.

E quando o assunto é padrões decorativos, a aposta de Helena fica com os madeirados, que são mais quentes. Alguns padrões como o Paldao e Kronberg, que fazem parte do Six Pack 2017, lançado recentemente pela Interprint, são ótimos exemplos de como inserir o aconchego a ambientes. Os padrões que remetem à madeira, além de trazer um toque de naturalidade, também conferem uma sensação de refúgio que é primordial ao Hygge.

Hygge em país tropical, pode?

Bem, Hygge não é exatamente um estilo de decoração, e sim, um estado de espírito. No entanto, o lifestyle que prega o prazer nas coisas simples é tão cativante que tem inspirado a decoração – que sugere  velas, livros e materiais que remetam ao calor para a composição de ambientes aconchegantes. Afinal, na Dinamarca, o inverno é rigoroso, com uma média anual de 7,7ºC. Mas se engana quem pensa que o Hygge só se aplica ao inverno. “Acho que quando se fala em aconchego, a associação imediata é com o frio, mas claro que também tem relação com verão e calor: caminhada na praia, rede, uma jarra com suco de fruta e pés descalços também trazem muito desta ideia”, ressalta Helena.

Para a arquiteta, a tendência não é passageira. “Além de ter a ver com bem-estar, esses elementos se relacionam com nossa memória afetiva”, finaliza.