‘No more’ Cabo das Tormentas! Entre pinguins, focas e babuínos no caminho, você precisa conhecer o Cape of the Good Hope e chegar bem pertinho da ponta do continente africano

 

Por Thais Fernandes

 

No extremo sul do continente africano as palavras não são suficientes. Cape of the Good Hope, ou Cabo da Boa Esperança, tem o mar mais azul que vi nos últimos dias de aventura na África do Sul. Mas, como o bom da viagem é mesmo o caminho, para chegar a esse ponto tão importante da história das navegações há todo um roteiro que vale a pena fazer e refazer.

 

Saindo da região central de Cidade do Cabo, em apenas um dia você pode conhecer quatro pontos com cenários e anfitriões incríveis. Eles são como que guardiões de cada ponto turístico e o próprio parque os protege. Vamos cruzar agora a Cape Península, em um roteiro que a Agência Planeta África preparou e leva a mais um dia incrível no continente africano:

 

Ilha de Duiker

Saindo do centro de Cape Town e seguindo a estrada da praia sentido à região de Camps Bay, a primeira parada é o Porto de Hout Bay. Ali, além de diversos produtos artesanais à venda, centenas de barcos atracados e uma história de séculos de pescaria em alto mar… uma nova viagem aguarda os navegantes. É a parada onde você vai conhecer simpáticos e pesados lobos marinhos do Cabo. Não apenas alguns, mas centenas deles!

 

Entrando no barco que vai até a Ilha de Duiker procure um bom lugar para observar com tranquilidade os animais. Ao longe, é possível avistar alguns nadando, dando bonitos saltos na água salgada e azul escura. De repente, já são centenas ao sol. Outros se atirando ao mar ou voltando para a Ilha. Um espetáculo da espécie, que pode ficar submersa por até 30 minutos sem respirar. O passeio dura tempo suficiente para avistar os adultos, machos chegam a pesar 350 kg – maioria na ilha – e as fêmeas de até 113 kg. Além disso, o caminho permite apreciar a vista da Sentinela, montanha com incríveis 331 metros de altura!

 

 

Boulders Beach

De volta à estrada, os próximos anfitriões serão tão simpáticos quanto os primeiros, mas bem menores. Se você ainda pensa na África apenas como um continente de altas temperaturas e gigantes desertos… hora de repensar e conhecer a diversidade desse continente. A melhor maneira de te proporcionar isso é chegar a Boulders Beach. Mais uma praia de mar azul intenso, mas dessa vez com uma grande colônia de… pinguins!

 

 

Isso mesmo, pinguins na África! A espécie está ameaçada de extinção, mas nesse pedacinho do extremo sul do continente a colônia é cheia de famílias e lindos filhotes: os “baby blues”! A preservação do local fez o grupo crescer de apenas dois casais em 1982, para 2.200 Pinguins Africanos nos últimos anos. O local fica entre Simon’s Town e Cape Point e tem buscado diversas maneiras de manter a colônia de pinguins saudável. Você pode acessar uma passarela e ficar a apenas alguns metros dos pequenos, mas nem tão dóceis assim, animais. Como os pinguins estão em seus ninhos e cuidando de seus filhotes, não é uma boa ideia tentar tocá-los.

A espécie é monogâmica, ou seja, seus parceiros são para toda a vida. Os casais se revezam para incubar os ovos e para alimentar seus filhotes. Dica valiosa, segundo o informativo do Table Moutain National Park, apesar da Boulders Beach ser o ponto mais famoso, o melhor local para ver as aves é a Foxy Beach. Vale a pena ficar atento aos mapas entregues no parque.

 

Cape of the Good Hope / Cabo da Boa Esperança

Diante dos olhos de quem chega ao ponto, uma imensidão de azul e vento, muito vento! Foi em busca de dobrar o continente e chegar ao Oceano Índico, que os portugueses passaram por aqui e deram o primeiro nome – que vai te fazer rememorar suas aulas de história – o Cabo das Tormentas. Mas, um lugar que trouxe tantas riquezas ao comércio de séculos atrás e, que hoje traz uma vista como essa não poderia ter um nome tão sinistro. Por isso, ainda por Portugal, o Cabo foi rebatizado para Cabo da Boa Esperança – o Cape of The Good Hope, em inglês.

 

 

Na estrada até a ponta do Cabo, avestruzes caminham tranquilamente à beira mar. E falando em mares, trago aqui uma verdade: muitos acreditavam (eu também) que esse era o ponto mais o sul do continente africano. Mas, apesar de sua enorme importância histórica, o Cabo da Boa Esperança só perde para o Cabo das Agulhas, um pouco mais abaixo.

Esse detalhe não muda nada a maravilha que é estar no local e, claro, disputar com outras centenas de turistas uma boa foto para recordação! Também é possível fazer diversas trilhas no Parque para quem curte caminhar e explorar enquanto aprecia uma vista mais incrível que a outra. A dica é levar casaco bem quente e sapatos confortáveis. O vento e as águas do Cabo são extremamente frias, mas o clima aberto rende fotos incríveis. Por isso, câmeras e celulares à mão para registrar tudo!

 

Cape Point

 

Com o mesmo nome da própria Reserva, Cape Point tem uma bela vista, pouco acima do Cape of the Good Hope. Também é possível encontrar babuínos no local! Essa espécie é mais uma que está ameaçada de extinção que o parque busca manter em seu habitat natural. Tomando um bondinho é possível chegar mais alto e mais próximo dos animais. Mas se você quiser caminhar na primeira parte de Cape Point e almoçar por ali, há um restaurante e binóculos para observar com tranquilidade a vista. Aqui também fica um dos faróis mais antigos do continente, para ele há uma trilha ladeira acima e mais placas que registram latitude e longitude para você registrar sua estadia em um dos mais incríveis e inusitados pontos da África.

 

SERVIÇO

Agência Planeta África

Custo do passeio: 990 Rands por pessoa

Disponível com guia em inglês: todos os dias

Disponível com guia em inglês em português / espanhol: terças, quintas e sábados

O cliente também pode optar por fazer esse passeio privativo. Nesse caso o preço vai depender de quantas pessoas forem participar e você pode saber mais entrando em contato aqui.

 

Para acompanhar em tempo real, siga o Diário de Bordo no Facebook e no Instagram.

Conheça também as mídias da Planeta África: Facebook e Instagram.

E da LAL School, em Cape Town: Facebook e Instagram.